quinta-feira, 27 de abril de 2017

Leituras de Fora. La Mujer de la Guarda


La mujer de la guarda, da dupla chilena Sara Bertrand e Alejandra Acosta, vencedor do Prémio New Horizons /Bologna Ragazzi 2017, é o livro da semana na Casa dos Hipopómatos.


Misterioso, inquietante, único e surpreendente. De uma beleza enigmática, oito páginas duplas de ilustrações marcam o inicio e o final do livro. No meio, cerca de cinquenta páginas narram uma história feita de realidade e de poesia.


Contada pela voz da avó de Jacinta, através dela presenciamos o primeiro encontro entre Jacinta e a mulher do cavalo azul. Ténue e ao mesmo tempo intenso, é nesse azul que a menina parece reencontrar-se, contando a sua solidão, a falta que o pai refugiado no trabalho lhe faz, a saudade que sente da mãe... Sim, concordamos com Jacinta, as mães não deviam morrer.

.
Tivemos o privilégio de conhecer Sara Bertrand na apresentação do livro, na livraria Fabulosa, em Madrid. O livro já estava esgotado, mas ela desdobrou-se para que conseguíssemos trazer um exemplar para Sintra, para Portugal. Nós ficámos imensamente gratos. 
Este é um livro para ler, tocar, sentir... Venham e sintam-se abraçados de azul.

terça-feira, 25 de abril de 2017

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Se as Maçãs Tivessem Dentes


Se as maçãs tivessem dentes... se as melancias fossem emplumadas... se as tartarugas fossem galinhas... se um caracol entregasse o correio... Disparates, dirão vocês! 
Se as maçãs tivessem dentes... Pois leiam o livro com as crianças,  riam,  e as coisas serão diferentes!


Rapidamente os petizes memorizam as rimas e não se cansam de repetir coisas absurdas:
Se os cogumelos tivessem cabelos, ninguém ia querer comê-los
Se pudessem ficar fora dos pratos, os peixes ficariam muito gratos.
Se vestisse um camisolão, o rinoceronte fazia um figurão.
Os jogos de palavras e as situações disparatadas aparentam ter o efeito de desbloquear a imaginação dos mais pequenos, que não resistem a inventar o inimaginável. 



O nonsense do texto parece estender-se às ilustrações. Da autoria do lendário designer Milton Glaser, criador do famoso logo I love NY, elas deslumbram pequenos e grandes leitores. Até nos apetece dizer que se o livro agora editado pela Bruaá fosse receita,  curava muita maleita.
Se pudesse ler como toda a gente, o canguru dava saltos de contente. Esperamos que já estejam a saltar aí por casa!

terça-feira, 18 de abril de 2017

QUEBRA-CABEÇAS. APROXIMA-TE!


Vimo-lo pela primeira vez em Lisboa, na Ilustrarte de 2014. Foi amor à primeira vista! Rendemo-nos de imediato ao fabuloso trabalho e à genial criatividade do argentino Diego Bianki. Voltámos a cruzar-nos em diferentes lugares. Sempre com o mesmo fascínio. Abrimos  e fechámos o desdobrável que o integra vezes sem conta!


Quando, no ano passado, o vimos ser premiado em Bolonha sorrimos pela justeza do prémio. Hoje, é com alegria que dizemos:  já chegou a Portugal! 
Pela mão da Kalandraka, já quebra-cabeças nas nossas livrarias.


Recuperar, reciclar e reutilizar é o mote para o magnífico e original trabalho que Bianki realiza com caixas de cartão. Muitas. Que pinta e desenha, ordenando-as posteriormente como quebra-cabeças. O processo artístico é partilhado no final com o leitor para que o possa repetir, ou melhor, continuar. Temos certeza que serão muitos os artistas a deitar mãos à obra em casa!



Mas esse é apenas o ponto de partida. Porque maravilhosas são, com efeito, a originalidade e a surpresa que nos aguardam a cada página. Estamos longe de suspeitar da sua existência quando tocamos o livro pela primeira vez ou nos quedamos pela capa. 
Recuperar, reciclar e reutilizar adquirem uma outra dimensão, uma outra identidade: Incluir, não discriminar, respeitar a diversidade. Compreendemos bem Menção Especial na categoria de "Disability" atribuída pelo júri de Bolonha.


Às formas, à irresistível paleta de cores vivas e fortes, aos desenhos que integram este infinito quebra-cabeças, junta-se a mensagem. Transmitida por pequenas frases, apetece  dizer que ainda que o livro não tivesse o curto texto, a mesma seria sempre intuída, tal a força com que nos é exposta.


Neste delicioso livro/jogo, esta é a fórmula encontrada para falar de temáticas como a inclusão, a não discriminação ou a diversidade. 
Apesar de sermos muitos, há algo em que somos todos iguais: SOMOS TODOS DIFERENTES. E ainda que não exista um número onde caibamos todos, existe uma palavra onde nos podemos encontrar: NÓS


Não deixem de o ver com os mais pequenos! APROXIMA-TE! Embora sejamos diferentes, fazemos todos parte do mundo!